Subprojeto 18.1 – Estudo de efeitos de agentes químicos (3-acetil piridina) e físicos (radiação ultravioleta) na neurodegeneração e na neurorregeneração em modelos invertebrados e vertebrados.

Participantes: Silvana Allodi
Instituto de Biofísica – UFRJ

A investigação das características da neurogênese em invertebrados como ascídias e crustáceos proporciona oportunidades não disponíveis em outros organismos para explorar a sequência de eventos celulares e moleculares que levam à produção de novos neurônios em cérebros adultos. A utilização de agentes químicos como a 3-acetil piridina (3-AP) e a radiação UV – com os quais o laboratório tem familiaridade – pode auxiliar a abordar o assunto por gerar modelo de lesão no sistema nervoso que pode ser acompanhado temporalmente em laboratório e que pode oferecer pistas novas para elucidar a questão. Em vertebrados já consagrados como modelos experimentais, o uso da 3-AP para estudar a regeneração pode ser extremamente útil. Devo ressaltar aqui que utilizamos no laboratório modelos diferentes para uma temática comum, que é provocar neurodegeneração, de modo a estudar questões referentes a como o tecido nervoso pode se regenerar em variadas espécies animais, contribuindo para elucidar os mecanismos destes processos.
Em crustáceos o projeto se destina a avaliar se, como indicam resultados prévios, os hemócitos ou células hematopoiéticas têm capacidade de gerar neurônios tanto em cultivos celulares como em animais adultos. Em ascídias, pretendemos caracterizar os neurônios envolvidos no processo de degeneração por meio do uso da neurotoxina 3-AP e analisar a participação de um tipo celular que tenha as funções da microglia e das células tronco hematopoiéticas no processo regenerativo, além de analisar o padrão sináptico do gânglio regenerado.
Em ratos devemos estudar as respostas dos neurônios hipocampais à 3-AP e relacionar a recuperação de aprendizado com a neo-neurogênese e/ou neo-sinaptogênese. Também nestes modelos temos como objetivo estudar o papel neuromodulatório de fatores específicos sobre a ataxia cerebelar induzida pela 3-AP.