Subprojeto 13 – Desenvolvimento e perturbação endócrina da próstata de roedores

Participantes:Manoel Francisco Biancardi e Fernanda Cristina Alcântara dos Santos
Departamento de Histologia, Embriologia e Biologia Celular da Universidade Federal de Goiás (UFG)

São empregadas abordagens morfológicas na área de biologia da reprodução, mais especificamente com estudos voltados à influência de drogas e disruptores endócrinos sobre a morfofisiologia da próstata de roedores. Além desta abordagem, também estamosestudandoo desenvolvimento prostático de roedores, enfocando os aspectos voltados à indução prostática. Dentro destas linhas de pesquisa, utilizamos diferentes tipos de análises morfológicas, que vão desde técnicas citoquímicas de rotina, de microscopia eletrônica até análises através de reconstrução tridimensional. Além disso, também empregamos técnicas imunohistoquímicas, de imunofluorescência e, ao nível da biologia molecular, temos iniciado o emprego de análises via RT-PCR.
Embora ainda não tenhamos experiência com cultura celular e também não contamos com um laboratório para tais análises, já há algum tempo sentimos a necessidade de empregarmos este tipo de abordagem experimental. Os estudos voltados ao desenvolvimento prostático perinatal, principalmente no que diz respeito à indução prostática, requerem análises mais específicas e direcionadas para marcadores específicos, tendo em vista que durante esta fase do desenvolvimento uma cascata complexa das mais variadas moléculas são expressas com marcantes diferenças regionais e temporais. Além disso, análises com o emprego de cultura celular permitem a avaliação isolada de diferentes compartimentos teciduais, possibilitando uma análise particular e individualizada em diferentes contextos experimentais. Tendo isso em vista, acreditamos que o emprego de cultura celular irápreencher uma importante lacuna dentro das nossas linhas de pesquisa, possibilitando resultados mais precisos e diretos dentro do contexto no qual trabalhamos.
Diante do exposto, nossa intenção é iniciar estudos com cultura de partes ou órgãos inteiros. Nosso maior interesse é poder isolar as diferentes porções que fazem parte do seio urogenital de roedores (epitélio uretral, mesênquima periuretral e VMP) em desenvolvimento, estabelecer a cultura de tais partes e, a partir destas culturas, poder avaliar diferentes aspectos dos processos de indução prostática, tanto em condições normais quanto em testes com drogas e disruptores endócrinos. Diante disso, e somando aos resultados que temos obtido com as análises morfológicas, esperamos poder entender as complexas vias de sinalização prostática durante o desenvolvimento. Com a utilização deste abordagem metodológica, e sabendo que o processo de indução prostática em muito se assemelha aos processos de instalação do câncer prostático, aspectos já demonstrados na literatura científica, esperamos poder contribuir com novas descobertas tanto no que tangem os mecanismos intrínsecos de sinalização prostática quanto na proposição de drogas que se mostrarem candidatas à inibição destes mecanismos de indução.