Um grande passo para a bioengenharia: primeiro pulmão ex vivo funcional.

IMAGEM-171

Créditos da imagem: Dorrello et.al., 2017.

As doenças pulmonares em estágios finais são a terceira principal causa de morte em todo o mundo, representando 400 mil mortes por ano apenas nos Estados Unidos. Os pesquisadores que exploram novas maneiras de promover o reparo pulmonar e aumentar o número de pulmões doadores disponíveis foram desafiados pela extrema complexidade do órgão – o pulmão possui mais de 40 tipos de células diferentes que residem em sua matriz e a área de superfície total entre a via aérea e a a vasculatura é do tamanho de uma quadra de tênis.

Os esforços para a bioengenharia de pulmões, baseadas em matrizes descelularizadas ou sintéticas que não possuem vascularização funcional têm sido em grande parte infrutíferos até agora. Porém, uma equipe de pesquisadores da Columbia University é agora a primeira a promover a bioengenharia de um pulmão funcional, com vascularização, ex vivo!

Esta nova abordagem permite a remoção do epitélio pulmonar, mantendo a viabilidade e função da rede vascular e da matriz pulmonar, mantendo assim a estrutura adequada para o repovoamento do orgão com células pulmonares e aquisição de atividade funcional!

Veja mais no trabalho em anexo:

Functional vascularized lung grafts for lung engineering