Revisando a relação neurônio-vaso sanguíneo para a manutenção das funções cerebrais!

IMAGEM-32-1024x734

Créditos da imagem: Iadecola, 2017.

O conceito de unidade neurovascular (NVU), formalizado na Stroke Progress Review Group meeting de 2001, do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Acidente Vascular Cerebral, enfatiza a relação íntima entre o cérebro e seus vasos. Desde então, a NVU atraiu o interesse da comunidade científica, resultando em avanços consideráveis ​​no campo.

Nesta revisão, o estado atual do conhecimento da NVU foi avaliado, com foco em um dos seus papéis mais importantes: o acoplamento entre a atividade neural e o fluxo sanguíneo. A evidência apóia uma mudança conceitual nos mecanismos de acoplamento neurovascular, passando de um processo unidimensional, envolvendo sinalização neuronal-astrocítica a vasos sanguíneos locais, para um panorama mais multidimensional, em que os mediadores liberados de múltiplas células ativam diferentes vias de sinalização e sistemas efetores em toda a rede cerebrovascular de forma altamente orquestrada.

A recente disfunção de NVU nas doenças neurodegenerativas, embora ainda pouco compreendida, apoia conceitos emergentes de que a manutenção da saúde neurovascular promove a saúde do cérebro. Neste trabalho, foi também revisada as funções de tipos celulares específicos no contexto da manutenção da NVU.

Veja mais no paper em anexo:

The Neurovascular Unit Coming of Age-A Journey through Neurovascular Coupling in Health and Disease