Novos achados na neurobiologia da alpha-sinucleina.

IMG_1687

Créditos da imagem: Srivastava A.P et al, 2018.

O estudo das sinucleopatias, como a doença de Parkinson, por exemplo, existe por décadas. A proteína pre-sinaptica a-sinucleina envolvida neste processo, apresenta três regiões principais : uma região N-terminal (de interação com lipídios), uma região central e uma região C-terminal negativamente carregada (de ligação a cálcio). Neste trabalho foi mostrado que na presença de cálcio, a região C-terminal é neutralizada e a proteína é capaz de se agregar. Alem disso, na presença deste cation divalente, a interação da proteína a-sinucleina com as vesículas sinápticas aumenta grandemente, o que gera a clusterização das mesmas. Diversas técnicas foram utilizadas neste trabalho, incluindo microscopia de super-resolução e Ressonância Magnética Nuclear! Este trabalho nos mostra que, apesar de muitos estudos existirem, ainda falta muito o que descobrir sobre as contribuições fisiologicas e patologicas da a- sinucleina.

Veja este trabalho completo no paper anexado:

s41467-018-03111-4

Keywords: #sinucleopatias #parkinson #neurobiologia