Clichê ou real potencial terapêutico? Células-tronco devolvem grande parte da capacidade motora e sensorial de ratos com lesões na medula espinhal.

IMAGEM-142-743x1024

Créditos da imagem: Ganz et.al., 2017.

Lesões na medula espinhal geralmente levam a perdas graves de movimento e percepção tátil, fenômeno chamado de paraplegia. O uso de tecidos construídos a partir de células-tronco da mucosa oral humana permitiu que ratos paraplégicos andassem de forma independente e recuperassem a percepção sensorial.

A pesquisa, publicada em Frontiers in Neuroscience, demonstra o grande potencial das células-tronco – células indiferenciadas que podem se desenvolver em vários tipos diferentes de células – para tratar lesões na medula espinhal. Os ratos tratados com o tecido manipulado contendo células-tronco da apresentaram maior recuperação sensorial e motora em comparação com ratos controle.

Três semanas após a introdução das células-tronco, 42% dos ratos paraplégicos implantados mostraram uma habilidade marcadamente melhorada para suportar seu peso em seus membros traseiros e andar. 75% dos ratos tratados também responderam a estímulos táteis grosseiros nos membros posteriores e na cauda.

Em contraste, ratos controle paraplégicos que não receberam células-tronco não mostraram mobilidade melhorada ou respostas sensoriais recuperadas. Além disso, as lesões na medula espinhal dos ratos tratados diminuíram até certo ponto.

Este trabalho mostra o grande potencial da terapia celular, porém, muito ainda resta a ser investigado.

Implantation of 3D Constructs Embedded with Oral Mucosa-Derived Cells Induces Functional Recovery in Rats with Complete Spinal Cord Transection